sábado, 4 de junho de 2011

Bruna, Princesinha Lilás.

Há pouco tempo,
Num reino bem próximo,
Nasceu uma princesinha
Com cabelos cheirosos e pés descalços.
Linda princesinha, dona do meu reino!

Bruna morena,
Bruna escura,
Bruna Calma,
Bruna Gentil,
Bruna Bondosa,
Bruna que consegue o que quer.

Linda a princesinha
E linda a forma de vê-la.
Ela sorri, e Deus do Céu,
Nunca se viu um sorriso tão lindo assim!

Meu pequeno amor surgiu!
Princesinha miudinha,
Uma menininha
Formosa como a lua,
Bela como a vida.

Onde é que estava a primavera?
Eu precisava tanto da primavera!
Enfim ela chegou!
Em seus olhos eu vejo todo o resto de mim
E seus olhos são cor de canela.

Um bebê cor de morango
Com seu narizinho arrebitado
Com suas bochechas rechonchudas
E sua boquinha de M.
Ah! Meu Deus! Será que é um sonho?
Que sonho lindo!

Você já está em meus braços.
Comigo está a alta princesa das terras de Kargad,
Dos morangos aos lábios a cor!
E os cabelos com cheiro pungente
De torrão de hortelã-pimenta.

O sonho de um bebê que canta.
Quero seguir no rumo deste sonho lindo,
Nesse deslumbrante sonho de cores tingidas.
Que lindo bebê!

Minha princesinha
Seu cheirinho é de uma manhã
De primavera
Onde vigora o frescor e o cheiro
Suave da hortelã.
Vejo-te aqui tão graciosa,
Coberta com essa manta lilás,
Na verdade, por toda a minha vida
Tenho tido paixão pela cor lilás,
O lilás que te cobre e te aquece.

Princesinha pequenina!
Princesinha graciosa!
Dorme meu bebê!
Dorme minha princesinha!
Sonhe os sonhos mais lindos,
Eu vou ficar sonhando com você, tão linda!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Valeu! Sua presença é Bem Vinda!

VIGIAR E PUNIR. MICHEL FOUCAULT. RESENHA

Michel Foucault Vigiar e punir – Nascimento da prisão FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir : nascimento da prisão; tradução Raquel Ramalh...