sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Não Tenho Razão

Perdoe-me por ter te escolhido
Pra viver ao meu lado pro resto da vida.
Desculpe-me por ter te perdoado
Quando eu devia ter acabado com tudo.

Sei que não posso querer que você
Fique presa a mim,
Quando seu coração pede pra ser livre.
Eu te deixo livre, te solto, pode voar!

Sei que não tenho a razão!
Só tenho o amor, a desilusão
E um coração partido!

Como pude um dia,
Achar que eu seria suficiente pra ti?
Agora vejo que fui um tolo!
Muito prazer! Meu nome é Otário.

Quem sabe um dia no futuro,
Nós dois? Improvável!
Mas não fico com mágoas,
Mas não te quero mal.

Sei que não tenho a razão!
Só tenho o amor, a desilusão
E um coração partido!
Muito prazer!
Meu nome é Otário.

... O sonho chega ao seu fim, enfim!...

Por Silvon Alves Guimarães


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Valeu! Sua presença é Bem Vinda!

VIGIAR E PUNIR. MICHEL FOUCAULT. RESENHA

Michel Foucault Vigiar e punir – Nascimento da prisão FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir : nascimento da prisão; tradução Raquel Ramalh...