quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Ocupado

Ocupado sempre... Pra você nunca!                       

A vida me arrasta com sua ditadura temporal.
Sou escravo do tempo, vivendo a sua mercê.
O trabalho não justifica minha existência,
Trabalho pra existir e vice-versa.

Ocupado sempre... Pra você nunca!

Este telefone que não para de tocar,
Sempre ocupado quando eu penso em te ligar.
Sou artista e nunca posso ser eu mesmo em público.
Vou colocar OCUPADO no MSN
Mas estou sempre disponível pra você.

Ocupado sempre... Pra você nunca!

A verdade nunca é injusta;
Pode magoar; mas sempre sara as feridas.
A vida é o que acontece
Enquanto estamos fazendo outros planos.
Nunca mais vou sair do centro espacial
Para as duras ruas anônimas longe do seu olhar.

Ocupado sempre... Pra você nunca!

Construo nossa história de amor                            
Para que ela não seja apenas mais uma história.
Nossa história pode ser drama, comédia,
Epopéia ou poesia...
Mas sempre terá um coração no meio,
Que pulsa por inteiro, intenso,
E que precisa estar ocupado, sempre.

Ocupado sempre... Pra você nunca!

Não gosto de nada que surgira a realidade.
Estou sempre ocupado demais
Indo e vindo de Paris.
Quanto tempo levará, até que você desocupe
E perceba que sou o que você procura?
Meus lábios sempre estão ocupados
Cantando poemas sobre a vida e sobre você.

Ocupado sempre... Pra você nunca!

Ocupo-me de fazer o ócio na sarjeta.
Você chocalha seu dedo arrogante
Pra me mostrar que estou errado,
Mas sempre esteve ocupada demais
Pra ajustar meu mundo com o seu universo.

Ocupado sempre... Pra você nunca!

Queria que seu telefone fosse igual                              
O da novela das nove, nunca ocupado,
Então eu poderia falar sempre contigo.
Como uma idéia que desgarra do briefing,
Mantenho você solta, mas comigo,
Não tenho coragem de te jogar fora.

Estou ocupado, mas vou arrumar um tempo pra você!

Ocupado sempre... Pra você nunca!

Por: Silvon Alves Guimarães

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Valeu! Sua presença é Bem Vinda!

VIGIAR E PUNIR. MICHEL FOUCAULT. RESENHA

Michel Foucault Vigiar e punir – Nascimento da prisão FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir : nascimento da prisão; tradução Raquel Ramalh...