AMOR IMPOSSÍVEL


Sou adepto dos amores impossíveis.
Apego-me sempre a quem jamais terei.
Se te vejo assim tão distante
Continuo a desejar que esteja próxima.
Sou como o sol
Que se apaixonou pela lua.

Eu acredito em amores eternos,
Daqueles que nos acompanham aonde vamos.
O amor eterno é o amor impossível.
Os amores possíveis começam logo a morrer,
E procuramos neles uma pureza da impossibilidade.

Hoje choro lágrimas por saber
Que você é meu amor impossível.
Choro lágrimas de alegria
Por saber que esse amor é meu
E que apesar de impossível será eterno.

Percebo o tamanho da loucura que vivo,
Pois você em breve estará enlaçada
Por um amor possível,
E eu continuarei todos os dias
Com a tristeza a me sufocar,
Com a solidão a me diminuir,
Mas alegre por ter esse amor eterno.

Meu amor impossível, se um dia,
Eu sorrindo passar por você fingindo
Alegria nesse olhar amante,
Não me olhe,
Procure esconder de meus olhos inocentes
O amor que sempre estará ausente.

Entrego-me a ânsia do meu querer.
O meu olhar te espera num rio sem margens,
Invisível para nós.
Mas é na beira desse rio seguro e eterno
Que sigo buscando o seu amor,
O amor impossível.

Comentários

  1. Se o poema reflete o poeta, feliz de ti... Que amar assim é para poucos!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Valeu! Sua presença é Bem Vinda!

Postagens mais visitadas deste blog

Propostas de Exercícios do livro "O Cortiço".

ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. Filosofia da Educação. São Paulo: Moderna, 1996. pp. 14-76. (Fichamento e Resenha)

VEIGA, Ilma Passos Alencastro. Projeto político-pedagógico da escola: uma construção possível. IN: Coleção Magistério: Formação e Trabalho Pedagógico. Campinas, SP: Papirus, 1995. (Fichamento e Resenha)