A Batalha dos Três Reinos

"A Batalha dos Três Reinos" é um filme do excelente diretor John Woo. O cenário se passa no ano 208 D.C. Na China governada pela dinastia Han. Cao-Cao (Fengyi Zhang) se proclama primeiro-ministro do norte a serviço do imperador Han. Ele trava diversas batalhas e as vence se tornando tão poderoso que é temido até mesmo pelo Imperador.


Cao-Cao pretende controlar todo o território chinês e para isso ainda lhe falta derrubar dois reinos rebeldes do sul. Esses reinos são dominados por Sun Quan (Chen Chang) e Liu Bei (Yong You), reis de suas regiões, e ao que tudo indica, são também adversários.

As forças de combate de Cao-Cao somam mais de oitocentos mil homens. Sun Quan e Liu Bei se vêem obrigados a formarem uma aliança para tentarem derrotar os exércitos inimigos. Assim os povos do sul deixam de lado as suas rivalidades e são obrigados a criar diversas estratégias para superar a esmagadora vantagem numérica do inimigo. Eles se reúnem na cidade de Red Cliff e aguardam pela chegada do inimigo.

Esta é uma batalha disputada pelos Generais, primeiro-ministros, e por vice-reis. Pois para, assumirem a frente de batalha eram concedidos títulos a esses homens de armas. A estratégia e a contra-estratégia passam a ser o ponto alto desta guerra. Também há o uso de pressão psicológica e guerra biólogica, quando Cao-Cao, envia por barcos as centenas de seus homens mortos por febre Tifoíde.

Ao avançarmos no filme fica claro que o motivo de toda a guerra feita por Cao-Cao, era o amor de uma mulher, Xiao Qiao esposa de Zhou-yu, irmão de Sun Quan. Cao-Cao a viu apenas uma vez, ainda na adolescência, mas mesmo assim ainda nutre por ela uma paixão obcecada. Para um homem tão temido e com um ar de invulnerabilidade, Cao-Cao, surpreende com mostrando esse lado do seu romantismo. Ele acredita que todo seu empenho em conquistar o mundo chinês, resulte também na conquista do amor de Xiao Qiao, sua amada.

Esse filme nos faz refletir sobre a futilidade das guerras que são travadas no decorrer dos anos. Quantas pessoas já morreram, pelos caprichos de um ou alguns homens? Será que todos compreendem realmente os motivos de estarem nas linhas de combate, de estarem matando seres humanos? Os Generais de Cao-Cao esboçaram tamanha surpresa ao saberem que toda a motivação da guerra era pelo amor egoísta de um homem. E mais indignados ficaram ao perderem a guerra justamente por causa mesma mulher.

Embora seja um filme de guerra, ele apresenta a beleza dos costumes chineses expressos pela musica de boa qualidade e pelo excelente tratamento dispensado aos visitantes. A sabedoria chinesa também fica em destaque nas estratégias militares. Como todo filme que fala sobre a China a Luta recebe o destaque, e esta é sempre gloriosa, e inspiradora.

Xiao Qiao é uma linda mulher que tem um poder de sedução, demonstrados pela sua voz macia e suas habilidades em preparar chás. De modo abnegado, ela se dirige a linha inimiga com o objetivo de atrasar o ataque de Cao-Cao até na madrugada, quando, segundo as previsões, os ventos mudarão de direção, favorecendo os povos do sul para realizarem um ataque com fogo.

Kongming, estrategista militar de Liu Bem, mostra ser uma peça importante na luta de estratégias. Kongming nos ensina que em muito a sabedoria pode superar a força. A verdadeira força esta na mente.

Eu recomendo este filme. Com um aclamando diretor. Com um elenco de ótimos atores. Uma trilha sonora linda. Um romance inspirador e um final que todos gostamos de ver.

Eu assisti, Eu escrevi!

Comentários

Postar um comentário

Valeu! Sua presença é Bem Vinda!

Postagens mais visitadas deste blog

Propostas de Exercícios do livro "O Cortiço".

ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. Filosofia da Educação. São Paulo: Moderna, 1996. pp. 14-76. (Fichamento e Resenha)

LUCKESI, Cipriano Carlos. Filosofia da Educação. São Paulo: Cortez, 1990. (Fichamento e Resenha)