A Imperatriz e os Guerreiros (O Filme)

O filme “A Imperatriz e os Guerreiros”, do diretor Siu-Tung Ching, retrata os tempos de guerras medievais chinesas. O reino de Yan se defende da invasão do reino de Zhao. Esta História se passa antes da unificação chinesa. Durante este tempo os inúmeros reinados brigavam entre si pela supremacia.
O Rei Yan é ferido mortalmente por uma flecha      que lhe atravessa o peito, durante uma batalha contra Kelly Chen, Rei de Zhao. Antes de morrer, o Rei Yan, passa o reinado a seu leal general Muyong Xuehu. Para manter a união do povo, Muyong Xuehu, faz uma manobra deixando que a filha do Rei Yan, Yen Feier, ocupe o cargo de Imperatriz. Antes de ser coroada, Yen Feier, passara por um rigoroso treinamento militar para liderar os exércitos nas batalhas.
Wu-Ba, primo de Yen Feier, fica ambicioso, e tenta matá-la antes da coroação. Perseguida por homens contratados por Wu-Ba, para matá-la, Feier é atingida por dardos envenenados. Na floresta, Feier, é salva pelo misterioso Duan Lanquan, que anos antes fazia parte dos temíveis Guerreiros da Lua Nova, uma sociedade guerreira, já extinta. Feier acaba se apaixonando por Duan Lanquan, que lhe oferece uma nova vida. Agora, Yen Feier deve decidir entre o destino do seu reino e uma vida nova.
O filme mostra os conflitos que realmente existiram na idade medieval chinesa. Estas batalhas eram travadas muitas vezes sem se saber a razão. As Batalhas eram movidas por rixas antigas, que foram herdadas e levadas à continuidade. Yen Feier começa a questionar estas batalhas e a sua futilidade, mostrando que elas não traziam nada além do sofrimento. Isso nos faz pensar nas guerras da atualidade, que são na sua maioria também movidas por um espírito nacionalista, ou por velhas rixas dos antepassados. Milhares de pessoas têm perdido a vida nessas guerras, que muitas vezes não passam de caprichos de dois homens arrogantes, que se consideram deuses.
O filme também faz menção a algumas invenções históricas dos chineses, tais como: a pólvora e o balão de ar; além de mostrar a tradicional medicina chinesa baseada na cura pelas plantas. Acima de tudo o filme mostra o valor da lealdade, e resgata o amor romântico que é capaz de fazer com a pessoa deixa qualquer beneficio material para vivê-lo. Um ótimo filme. Eu recomendo.
Eu assisti, eu escrevi!

Comentários

Postar um comentário

Valeu! Sua presença é Bem Vinda!

Postagens mais visitadas deste blog

Propostas de Exercícios do livro "O Cortiço".

ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. Filosofia da Educação. São Paulo: Moderna, 1996. pp. 14-76. (Fichamento e Resenha)

VEIGA, Ilma Passos Alencastro. Projeto político-pedagógico da escola: uma construção possível. IN: Coleção Magistério: Formação e Trabalho Pedagógico. Campinas, SP: Papirus, 1995. (Fichamento e Resenha)