Piratas do Caribe 4: Navegando em Águas Misteriosas

O filme "Piratas do Caribe - navegando em águas misteriosas" é a quarta parte da saga “Piratas do Caribe”. Este filme se tornou a melhor estréia da história do cinema com US$ 256,3 milhões em seus cinco primeiros dias de exibição fora das salas dos Estados Unidos, segundo informa o site especializado "Box Office Mojo". Esse número supera a melhor marca registrada anteriormente, conquistada por "Harry Potter e o enigma do príncipe" (2009), com US$ 236 milhões.
Johnny Depp e Penélope Cruz no lançamento de "Piratas do Caribe 4" em Cannes. (Foto: Reuters)

Neste quarto episódio o Capitão Jack Sparrow (Johnny Depp) cruza com Angélica (Penélope Cruz),  uma mulher do seu passado, mas fica confuso se a relação deles é de amor ou se ela está apenas interessada em saber como chegar até a Fonte da Juventude. A bordo do navio de Barba Negra (Ian McShane), o Capitão Sparrow não sabe a quem deve temer mais: seu antigo amor ou seu rival declarado.
O filme apresenta uma sequencia simplista, se comparado com os outros três anteriores. Há uma ausência de objetivo maior a ser perseguido pelos protagonistas da trama. Então a fonte Juventude aparece como o ponto a ser atingido, mas sem necessariamente ter um motivo. O filme transmite a idéia de que encontrar a fonte da juventude é mais uma aventura do que uma conquista. Sob direção de Rob Marshall, o filme parte do roteiro de Ted Elliott e Terry Rossio, baseado no livro “On Stranger Tides”, uma aventura marítima escrita em 1987 por Tim Powers.

A trama é disputada entre Sparrow, Barbossa (Geoffrey Rush) e Angélica (Penélope Cruz), que entram em uma frenética corrida para chegar à fonte da Juventude.  O filme tem também a participação do temível Barba Negra (Ian McShane), que não faz jus a sua fama de terror dos Piratas. O filme tem uma duração de 137 minutos, duração reduzida se comparada aos outros três filmes.

Apesar de chegarmos ao final do filme com a sensação de que não foi contada nenhuma história que justifique toda a correria, os protagonistas da rixa são carismáticos, originais e conseguem escapar do lugar comum gerado em torno dos corsários do mar, dando a sensação de que "Piratas do Caribe 4", seja um bom filme.

A verdade é que não importa o que façam ou digam, a saga “Piratas do Caribe” tem e parece que sempre terá uma boa aceitação pelo grande público dos cinemas. Nesse emaranhado de situações desconexas, Johnny Depp consegue mais uma vez mostrar seu talento e seu brilho, aliado desta vez ao charme espanhol de Penélope Cruz.

O carisma do Capitão Jack Sparrow, esta relacionado ao fato de ele ter ao mesmo tempo, um ar de inocência infantil e uma malicia adulta. Parece que Sparrow é incapaz de fazer algum mal a quem quer que o seja. Mas, ao mesmo tempo que é péssimo em brigar, Sparrow sabe manejar uma espada, e como atrapalhado pirata ele sempre engana a morte, zomba dos inimigos e não se deixa seduzir facilmente e sempre tem um plano de fuga, não importa qual seja a situação. Outro fator que contribui para o sucesso do personagem, Jack Sparrow, é que ele sempre conta com o fator sorte, assim, ele passa a ter a identificação de um “abençoado” em toda sua trajetória, conquistando a simpatia do público.

Embora não seja extraordinário, "Piratas do Caribe 4: Navegando em águas Mistériosas", é sim, um bom filme, que vale a pena ser assistido!

Eu assisti! Eu escrevi!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Propostas de Exercícios do livro "O Cortiço".

ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. Filosofia da Educação. São Paulo: Moderna, 1996. pp. 14-76. (Fichamento e Resenha)

LUCKESI, Cipriano Carlos. Filosofia da Educação. São Paulo: Cortez, 1990. (Fichamento e Resenha)