quinta-feira, 29 de março de 2012

Onde Você Menos Esperar!

Você esta dentro de minha boca,
Em cada sussurro,
Em cada palavra.
Falo você, de você, pra você.

Você está na ponta de minha língua.
Não preciso te pensar,
Não preciso de razão,
Você está onde eu quero que esteja.
Você me vira de ponta cabeça,
Transforma-me em jardim.

Eu toquei a ponta da minha língua
Com meu lábio superior
E tentei te fazer uma carícia.
Você está sentada do lado de fora,
Escreve poesia em segredo.
Estremeço ao pensar que você
Talvez nem se lembre de mim.

Pra te cantar
É preciso primeiro abrir a boca,
Então você me escapa, foge.
O drama pensa,
Esta se desenvolvendo dentro da jaula.
Em minha linguagem algébrica
Você é o crivo para que se filtre minha anarquia,
Para que se convertam sentimentos em palavras.

Chorei todas as lágrimas,
Hoje sou deserto,
Dentro e fora de mim.
Leia-me e me digas o que pensas
De tudo que lhe conto,
Eu te digo que você é canção,
Na língua, no ar, nos poros, no mar.

Você está dentro de minha boca.
Senti suas mãos espalmadas
Nas minhas costas, enquanto sua língua
Corria sobre meu rosto gelado.
Agora você conhece mais uma boca pra beijar.
Eu não quero suspirar de pé
Na varanda coberta de Colmo,
Nem quero te deixar em um canto da boca.

Você está na ponta de minha língua,
Dentro de minha boca.



Por: Silvon Alves Guimarães
http://silvonguimaraes.blogspot.com/












Nenhum comentário:

Postar um comentário

Valeu! Sua presença é Bem Vinda!

VIGIAR E PUNIR. MICHEL FOUCAULT. RESENHA

Michel Foucault Vigiar e punir – Nascimento da prisão FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir : nascimento da prisão; tradução Raquel Ramalh...