sábado, 31 de março de 2012

Vê se Volta!

Não me deixe assim tão só.
Não posso ficar tão bem
Se você não esta do meu lado.
Não me deixe ser um cordeiro
Perante os fortes
E nem um leão diante dos fracos.

Qual é o contexto do nosso existir?
Eu não me lembro!
Mas, eu me lembro do seu rosto
E da sua voz doce.

Quando sua lembrança
Torna-se mais presente,
Ponho-me em lágrimas
E fico arquitetando uma forma,
Um jeito, pra que você volte.

O que me resta?
Somente cantar o meu Cantochão!
Em um ritmo sem ritmo,
Tento encontrar a paz.
Mas ei-la que vai já longe
Como que na diligência
Que busca outras fontes,
Outras águas.
O rio corre,
Rouba as águas
Que se destinavam a ficar em mim.

Por: Silvon Alves Guimarães



Adriana Calcanhotto-Mentiras (Com Letra)



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Valeu! Sua presença é Bem Vinda!

VIGIAR E PUNIR. MICHEL FOUCAULT. RESENHA

Michel Foucault Vigiar e punir – Nascimento da prisão FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir : nascimento da prisão; tradução Raquel Ramalh...