Coração Alado


Eu tenho sonhos, e neles te vejo... Sempre!

Vejo-te sempre em meus sonhos como uma pomba branca que vem comer em minhas mãos. Essa imagem que tenho de ti, me agrada me faz feliz, porque te vejo em minhas mãos, tão tranqüilo, toda branca, com um arrolhar suave, enquanto eu, calado, apenas me atrevo a te olhar, apenas respiro quando esta bem perto. Por várias vezes quis que minha mão livre te buscasse e tocasse suas penas brancas, mas me detive por medo de assustar-te e lamentando, não te toquei! Nem uma só vez!

Como Estou? Como esta minha mão, aquela que dava de comer? Deveria ter fechado minha mão e não te receber? Deveria ter te assustado, ter te tocado? Mesmo hoje não sei dizer. Deixastes de estar em minhas mãos e hoje me encontro só, com as mãos vazias. Por quê?

Nunca poderei saber... só sei que hoje não sou mais o mesmo, passou muito tempo, me falta algo, eu sinto, eu sei cada vez que vejo perto de mim uma pomba branca voando, minha mão quer voltar a abrir-se, acreditando que te vejo, num impulso de nostalgia e saudade, desejando que venha novamente para minhas mãos e como antes me faça sonhar. Mas é tudo em vão, já é tarde, já não pode ser... E fico com o braço extendido, só, triste, recordando!

De repente, me sinto revoltado, protesto, me queixo pra ninguém e começo a gritar desesperado, sinto que nada irá me consolar, aperto os punhos com raiva, renego meus sentimentos e começo a perguntar-me: Por quê existe sentimentos tão profundos? Por que existem pombas brancas? Por que tem que haver mãos que se fecham?

Não sei. Só sei que houve uma pomba branca em minha vida, que comia em minhas mãos, que essas mãos se fecharam uma vez e desde então vivo só, com uma só pergunta a me afligir, uma pergunta que nada me diz, mas tanto me tortura: Por quê?
Não sei. Nunca hei de saber. Seguirei minha vida recordando-te, não podendo te esquecer, nem querendo te esquecer. Seguirei perguntando-me enquanto estiver vivo: Por que tem que haver pombas brancas? Por que sentimentos profundos? Por que mãos que se fecham? Por quê? Por quê? Por quê? …





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Propostas de Exercícios do livro "O Cortiço".

ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. Filosofia da Educação. São Paulo: Moderna, 1996. pp. 14-76. (Fichamento e Resenha)

LUCKESI, Cipriano Carlos. Filosofia da Educação. São Paulo: Cortez, 1990. (Fichamento e Resenha)