quarta-feira, 12 de junho de 2013

Frente de Luta Goiás

Incendiávamos ônibus,

atirávamos pedras
contra as catedrais.

Porque os despejos
acrescidos dos transportes
com aumento
e a repressão justificada
por suposta lei ditada
pelo firmamento
eram violentos demais.

Quebrávamos cercas,
atravessávamos fronteiras
do sexo,
do ritmo,
das letras.

Nas manchetes matinais:
clamores anti-baderna,
reclamando nossa falta de gosto

e os usos de... direitos
ditos de todos
(sempre em tom duvidoso).

Nos chamavam vagabundos,
delinquentes,
marginais.

O centro se espantava
com nossos gritos.

Mas é que o silêncio
era violento demais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Valeu! Sua presença é Bem Vinda!

VIGIAR E PUNIR. MICHEL FOUCAULT. RESENHA

Michel Foucault Vigiar e punir – Nascimento da prisão FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir : nascimento da prisão; tradução Raquel Ramalh...