A Alienação do Homem em Função do Trabalho

O homem: um ser alienado em função do trabalho. Esta frase pode muito bem resumir o que Marx (2004) pensava do homem em sua relação com o trabalho. A crítica de Marx (2004) é dirigida a uma economia e a uma sociedade que transformam o homem numa mercadoria das mais deploráveis e sem valor. Esta sociedade tem dividido os seus membros em senhores e servos, ou melhor, entre possuidores de propriedadese trabalhadores sem propriedades. Sociedade que explora o indivíduo, que enriquece cada vez mais com o trabalho que explora, enquanto o trabalhador se torna mais miserável à medida que produz mais riquezas. Marx (2004) comenta:
A propriedade privada tornou-nos tão estúpidos e parciais que um objeto só é nosso quando o temos, quando existe para nós como capital ou quando por nós é diretamente possuído, comido, bebido, transportado no corpo, habitado, etc., ou melhor, quando é utilizado. [...] Portanto, todos os sentidos físicos e intelectuais foram substituídos pela simples alienação de todos os sentidos, pelo sentido do ter. (MARX, 2004, p. 142).
          O homem se aliena, sobretudo graças ao trabalho que assume, renunciando a sua condição de ser genérico. Mas o que é o homem para Marx? O homem é um ser natural, porque traz em sua essência a própria natureza. Desta forma, o homem é naturalmente livre, o que o torna diferente dos animais. Pois possui a capacidade de utilizar a natureza a seu favor e em favor da satisfação de suas necessidades mais imediatas, de forma que ela é condição de possibilidade da existência humana. De acordo com o professor Sobral (2005), “o homem faz da atividade de produzir a sua vida, da atividade vital, um objeto da vontade e da consciência [...] uma vida que [...] não pode ser reduzida à manutenção da capacidade de trabalho, à subsistência.” (SOBRAL, 2005, p.102).
          Desta forma, definir o homem, para Marx, é falar de sua natureza enquanto “consciência genérica”, na qual ele “ratifica sua vida social real e reproduz no pensamento apenas a sua existência real”; sendo assim “o ser genérico se confirma na consciência genérica e existe para si, na sua universalidade, como ser pensante” (MARX, 2004, p. 141). Assim Marx (2004) define o que acredita por natureza humana sem, contudo, abandonar a defesa de uma liberdade do homem, demostrando sua crença numa natureza humana fixa, previsível, mas que pode se auto-realizar por meio do trabalho e do processo produtivo, que diferencia o homem de todos os animais. Dessa forma, não podemos pensar o homem de forma isolada do processo produtivo, ou das relações com outros homens, que terão como consequência atitudes alienantes, à medida que o homem confere a um estranho o seu trabalho e/ou a sua vida genérica.
          O trabalho atinge seu objetivo, ao passo que, é fator de estranhamento que gera uma oposição entre o trabalhador e o produto de seu trabalho, assim o sujeito se aliena a seu trabalho na medida em que se realiza unicamente por ele, tendo já abandonado a sua própria realidade como sujeito histórico. Dessa forma, o trabalhador é tanto mais desvalorizado quanto mais mercadorias e bens produz. Neste mundo, ocorre que há uma valorização extrema do mundo das coisas em prejuízo para o mundo dos homens.
          A alienação é, em resumo, a objetivação do homem frente ao produto de seu trabalho, que age nele como uma natureza que lhe é exterior e que ganha um poder autônomo tornando-se capaz de lhe dominar. Mas é claro que toda objetivação e alienação do homem não se dão sem a natureza, sem o mundo que lhe é exterior e que lhe dá a capacidade de produzir os bens que produz. Assim a solução para o problema da alienação do homem e do trabalho “só pode ser colocada em termos políticos, numa época em que a sociedade considerada como uma superação real da sociedade criticada ainda não nasceu.” (MÉSZÁROS, 1981, p. 115) Ou seja, a solução, como nos aponta Marx (2004) ao longo de suas pesquisas referentes à temática da economia política, é puramente política, mas a realização de tais estudos é fundamental na medida em que só por meio de tais estudos se poderiam conquistar a luta política contra o sistema capitalista, que explora o ser humano como uma mera mercadoria, assim como ao seu trabalho.

Referências:
MARX, K. Manuscritos econômicos e filosóficos – terceiro manuscrito.Trad. de Alex Marins. São Paulo: Martin Claret,2004. (Coleção obra prima de cada autor)
MÉSZAROS, I. Marx: A Teoria da alienação. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.
SOBRAL, F. A Concepção circular de homem em Marx:Um Estudo a partir dos Manuscritos Econômico-Filosóficos de 1844. São Paulo: Nojosa Edições, 2005.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Propostas de Exercícios do livro "O Cortiço".

ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. Filosofia da Educação. São Paulo: Moderna, 1996. pp. 14-76. (Fichamento e Resenha)

LUCKESI, Cipriano Carlos. Filosofia da Educação. São Paulo: Cortez, 1990. (Fichamento e Resenha)