Cartas Chilenas - Carta 3ª (reeditado)

As injustiças e violências de Fanfarrão são por motivos de somenos importância. Critilo diz que Minésio tem tudo para ser um bom “chefe”, mas ele não tem nenhum “sistema”. Fanfarrão toma por empreitada a construção de uma suntuosa cadeia. Critilo chega até mesmo a comparar, a obra da cadeia com as grandes obras faraônicas. Tal obra custosa serve para prender os negros que devem e que não devem e na falta de negros outros quaisquer que se enquadrem nos termos de vadios, são logo lançados na prisão.
Prepara o branco lenço, pois não podes
Ouvir o resto, sem banhar o rosto
Com grossos rios de salgado pranto.
Nas levas, Doroteu, não vêm somente
Os culpados vadios; vem aquele
Que a dívida pediu o comandante;
Vem aquele, que pôs impuros olhos
Na sua mocetona e vem o pobre,
Que não quis lhe emprestar algum negrinho,
Para lhe ir trabalhar na roça e lavra.
Estes tristes, mal chegam, são julgados
Pelo benigno chefe a cem açoites.
(versos 229 a 240)
As injustiças que Fanfarrão comete, são prontamente copiadas pelos seguidores e lacaios, que querem se parecer com o chefe que a tudo pode. Assim a corrupção, a injustiça, os desmandos vão se tornando a ordem do dia. Esta situação corta o coração dos que habitam Santiago (Vila Rica), alguns como Critilo, não dormem a noite, desejando encontrar uma solução para tanta opressão.
 
 
 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Propostas de Exercícios do livro "O Cortiço".

ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. Filosofia da Educação. São Paulo: Moderna, 1996. pp. 14-76. (Fichamento e Resenha)

LUCKESI, Cipriano Carlos. Filosofia da Educação. São Paulo: Cortez, 1990. (Fichamento e Resenha)