Encontro prazeroso

É verão e um pouco de poesia
Só pode fazer bem. Uma conversa longa,
Seguida de interação nos encheu de estesia.
Tantos detalhes para colocar em dia:
Por onde anda? O que está fazendo?
A ação foi conjunta. Nossa reorganização
De nada, logo se completaria.

Intensos prazeres reais foi o que sentimos.
Ali, juntos, as palavras e os tempos poemas
Abriram-se diante de nós com todo esplendor,
E em paz nos sentimos livres, em êxtase,
E sentimos prazer sem culpa.

Pela nossa conversa nos interagimos,
E nos sentimos muito bem.
O texto que trouxemos foi apenas
Para iniciarmos nossa conversa
Porque dentro do abrigo de nossas idealidades,
Enquanto você fecha às portas,
Salpicam gotas puras de sinestesia.

Nós nos sentimos rodeados
Numa atmosfera de paixão.
E nossos corpos como que por instinto
Já conheciam bem essa linguagem perfeita
Que nos trouxe prazer total
Obtido pelo contato prazeroso e nada candonga.

Apetece-me comungar com seus risos e suas alegrias,
Nas horas mais inusitadas com as quais interagimos,
E nos posicionamos feito dança, talvez em um duelo,
Em uma luta pela realização prazerosa
De nossa poética nada exacerbada.

É por demais prazeroso denudar os mistérios
De tuas palavras. E me lembro que já enfrentamos
As agruras de outras vezes, penamos, sofremos,
Mas hoje em vez de vergonha, sentimos empatia.
Em vez de constrangimento, ganhamos coragem.

A dinâmica de minha existência
Sempre foi de dentro pra fora.
Com você experimento o reverso
Quando minha alma se impregna
Do bálsamo do seu amor, como a abelha
Sacia-se do perfume de uma linda flor.

Fomos arrastados para a dualidade
Do bem e do mal. Atingimos o gozo saciável
Do desejo de ser livres.
Minha menina, o amor é tão belo
E fomos tão felizes com nosso sentir
Que será algo que sentiremos durante
Toda nossa vida. Sentiremos sempre.

Despedimo-nos, sentindo-nos realizados,
E agora com a pulsação normalizada,
Com o coração acondicionado dentro do peito,
Extasiados pelo prazer das palavras
Que fluíam como chama que nos aquecia,
Fomos surpreendidos ao perceber que não tivemos
Tempo suficiente, juntos, para o sexo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Propostas de Exercícios do livro "O Cortiço".

ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. Filosofia da Educação. São Paulo: Moderna, 1996. pp. 14-76. (Fichamento e Resenha)

LUCKESI, Cipriano Carlos. Filosofia da Educação. São Paulo: Cortez, 1990. (Fichamento e Resenha)