A Sociedade e o Estado Durante o Novo Império Egipcio.




Este artigo é uma dissertação sobre o novo império que surgiu no Egito antigo. Esta sociedade egipcia passou por altos e baixos e mesmo assim soube dar a volta por cima, aproveitando o de bom que seus inimigos possuíam.

Tema: "A sociedade e o estado durante o Novo Império Egipcio".

___________________________________________________________________

O período compreendido como novo império egípcio, é retratado como o apogeu deste império. É claro que como todo império, este também enfrentou crises, sofreu ataques, foi derrotado. Mas, o que chama a atenção para o império Egípcio é o seu poder de reação, o seu ressurgimento com uma completa absorção das tecnologias a sua volta.

Os historiadores divergem quanto a época e duração deste período. Para Ciro Flamarion, este compreende entre 2550 a 1070 a.c., já Pierre Leveque situa o novo império entre 2580 a 1160 a.c. Porém, ambos concordam que a civilização egipcia deixou um legado de desenvolvimento importantíssimo.

Segundo Ciro Flamarion, o egito foi o primeiro governo realmente organizado que existiu. Mas, isto não impediu que tribos desenvolvessem sua própria política administrativa e até que tivessem uma certa autonomia de poder.

Embora estejamos analisando o período compreendido como novo império, a história egipcia pode ser dividida em cinco períodos: Época Thinitta, Antigo, Médio, Novo Império e Baixa época.

Durante o Antigo Império, 2575 a 2134, havia um sistema de governo forte, centrado. O que ajudou o império a se firmar.

Com o passar dos anos, foi havendo uma descentralização do poder, com o surgimento dos "Monos", que eram pessoas que se tornaram proprietários de terras e exerciam certo poder sobre os povos de sua região, que estavam sobre seus domínios. Levéque, diz que esta descentralização do poder fora crucial para o colapso da sociedade Egipcia.

A partir dai, entramos no que os historiadores chamam de primeiro período intermediário, onde várias tribos tentavam a seu modo sobreviverem e reunificarem o império. Essa reunificação ocorreu por volta de 2065 a.c. Mas, claro, há muitas divergências sobre. se este evento do fortalecimento do império tenha ocorrido realmente nesta data. porém, se trata de pelo menos, a data mais aproximada.

Um ponto de destaque deste período, compreendido como médio império, é a vinculação do herdeiro ao trono. Ou seja, o primogênito seria o próximo Faraó e era durante a sua infância e adolescência preparado para assumir o trono. Esta mudança fora vantajosa, pois evitava as disputas pelo trono que ocorreram em outros períodos.

Neste ponto, novamente o império sofre um declínio, e entramos no período compreendido como segundo período intermediário.

Desta vez o império fora invadido e dominado pelos Hicsos. Povo guerreiro, que estava equipado militarmente com carros de guerra puxados a cavalo. O que possibilitou uma vitória sobre os egpicios, que apesar do numerário, realizava seus combate de pé.

Durante este período, Flamarion, chama a atenção para o intercâmbio que houve com os povos Asiaticos, que em certos aspectos estavam mais avançados. A partir deste intercâmbio, pode-se ter uma noção sobre propriedade privada, organização militar e aumento no numero de escravos,
que eram os prisioneiros de guerra.

Em 1532, há um fortalecimento do poder dos egípcios sob o reinado de Ramsés II. Este périodo é chamado de novo império. Foi com certeza o mais glorioso. Com o intercâmbio dos povos Asiáticos, os Egípcios assimilaram tecnologias que possibilitaram o progresso e fortalecimento do império. Foi estabelecida uma sociedade que agora tinha uma noção sobre propriedade privada. com os prisioneiros de guerra sendo escravizados, vários egípcios começam a ter que administrar esses escravos. Abriu-se também a possibilidade de ascensão social a militares que eram bem sucedidos nas guerras. Isto possibilitou uma maior mobilidade social.

Com o aproveitamento das tecnologias militares assimiladas dos Hicsos, os Egípcios empreenderam uma expansão dos seus territórios. Houve incursões militares contra os Núbios, os Sírios e os Lídios. Com o domínio desses territórios os Egípcios compreenderam uma nova idéia de império, abrangendo regiões bem distantes do seu império inicial.

Durante este novo Império, vários faraós tiveram destaque tais como: Hashepsut, que usurpou o trono, usando roupas masculinas. Amenofis IV, que tentou implantar o monoteísmo, obrigando a adoração do deus Sol, Athon. Tutancâmon, que apesar de não ter realizado grandes feitos, se tornou importante para a história, quando Howard Carter, em 1922, descobriu o seu túmulo intacto. Ramsés II, foi com certeza, o mais importante dos faraós. Ele foi responsável pela ascensão e solidificação do novo Império Egípcio.

O Império Egípcio também causou grande impacto sobre as civilizações posteriores com suas construções. Como as grandes Pirâmides, que até hoje são objetos de admiração de um Império que realmente foi repleto de glórias.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Propostas de Exercícios do livro "O Cortiço".

ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. Filosofia da Educação. São Paulo: Moderna, 1996. pp. 14-76. (Fichamento e Resenha)

LUCKESI, Cipriano Carlos. Filosofia da Educação. São Paulo: Cortez, 1990. (Fichamento e Resenha)