segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

GEÓRGIA


Todo dia Geórgia sai pra ver o Mar.
Sentada naquela mureta
Geórgia fica refletindo.
Geórgia se lembra de seus amores que se foram,
Sonha com os amores que virão.
Geórgia fica ali todo dia, em frente ao Mar.



Todo dia, Geórgia, vai ver o Mar.
Seu olhar distante, perdido no horizonte,
Dizem-me que ela quer mais.
Quanto vale seus pensamentos?
Dou-te dez anos do meu existir
Em troca dos seus sonhos.
Geórgia fica em frente ao Mar todo dia.

Geórgia vai pro Mar todo dia.
Sentada, pensando, sonhando, lembrando.
Olhar distante, o horizonte, meus dez anos.
Todo dia Geórgia fica em frente ao Mar.




Todo dia eu vou ver Geórgia,
Que todo dia vai ver o Mar.
Sentado na poltrona,
Olho Geórgia sentada na mureta
Em frente ao Mar.

Meus pensamentos se perdem,
Fico pensando nos amores que Geórgia
Estará lembrando.
Fico sonhando com os sonhos que Geórgia sonha.
Eu fico todo dia,
Olhando Geórgia,
Que vai todo dia ver o Mar.

Todos os dias,
Minha poltrona,
A mureta em frente ao Mar,
O olhar perdido,
Os pensamentos perdidos,
Os amores que se foram,
Amores que virão.
O Mar, seus cabelos negros,
Sua blusa amarela, seu tênis verde, o azul.
Todo dia em frente ao Mar,
Geórgia e Eu.



Por: Silvon Alves Guimarães


Um comentário:

  1. Ownn!!! Que blog bacana!
    Tô seguindo e vou me fazer sempre presente aqui.
    Passe em "Sinais de Mim" também? Tem um espaço reservado pra você na Área Vip, basta clicar em 'seguir'! rs
    Besitos,
    TL. ^^

    ResponderExcluir

Valeu! Sua presença é Bem Vinda!

VIGIAR E PUNIR. MICHEL FOUCAULT. RESENHA

Michel Foucault Vigiar e punir – Nascimento da prisão FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir : nascimento da prisão; tradução Raquel Ramalh...