Propostas de Exercícios do livro "O Cortiço".


PROJETO “CLUBE DA LEITURA”
Silvon Alves Guimarães

Propostas de Exercícios: Relacionados com a análise do livro "O Cortiço" de Aluízio de Azevedo. Realizada no CAJ Riachuelo dia 05/01/2013.
1. UFPel-RS
Na obra-prima de Aluísio Azevedo, O cortiço:
a) podem-se perceber as características básicas da prosa romântica: narrativa passional, tipos humanos idealizados, disputa entre o interesse material e os sentimentos mais nobres.
b) transporta-se o leitor ao doloroso universo dos miseráveis e oprimidos migrantes que, fugindo da seca, abrigam-se em acomodações coletivas.
c) consagra-se, na literatura brasileira, a prosa naturalista, marcada tanto pela associação direta entre meio e personagens quanto pelo estilo agressivo.
d) vê-se renascer uma prosa forte, de cunho regionalista, característico da década de 30, que retrata nossas mazelas, em estilo seco.
e) verifica-se uma forte relação entre o meio em que vivem os personagens e sua vida pessoal, relação essa baseada no sentimentalismo romântico.
2. PUC-RS
Para responder à questão, leia o fragmento do romance O cortiço, de Aluísio Azevedo, e as afirmativas que seguem.
E maldizia soluçando a hora em que saíra da sua terra; essa boa terra cansada, velha como
que enferma; essa boa terra tranquila, sem sobressaltos nem desvarios de juventude. Sim, lá os campos eram frios e melancólicos, de um verde alourado e quieto, e não ardentes e esmeraldinos e afogados em tanto sol e em tanto perfume como o deste inferno, onde em cada folha que se pisa há debaixo um réptil venenoso, como em cada flor que desabotoa e em cada moscardo que adeja há um vírus de lascívia. Lá, nos saudosos campos da sua terra, não se ouvia em noites de lua clara roncar a onça e o maracajá, nem pela manhã ao romper do dia, rilhava o bando truculento das queixadas, lá não varava pelas florestas a anta feia e terrível, quebrando árvores; lá a sucuruju não chocalhava a sua campainha fúnebre, anunciando a morte, nem a coral esperava traidora o viajante descuidado para lhe dar o bote certeiro e decisivo; 4lá o seu homem não seria anavalhado pelo ciúme de um capoeira; lá Jerônimo seria ainda o mesmo esposo casto, silencioso e meigo; seria o mesmo lavrador triste e contemplativo como o gado que à tarde levanta para o céu de opala o seu olhar humilde, compungido e bíblico.
I. A diferença entre a velha e a nova terra é marcada pela força da natureza que transforma a vida e o comportamento do homem.
II. Expressões como “cansada”, “enferma”, “frios e melancólicos”, nas referências 1, 2 e 3, respectivamente, assumem uma conotação positiva para a mulher de Jerônimo, ao definirem o espaço da felicidade perdida na velha terra.
III. As ações dos animais, pintadas com os tons fortes do Naturalismo, narram os perigos que Jerônimo e sua mulher vivem na selva.
IV. A expressão “lá”, nas referências 4 e 5, indica o espaço das virtudes do marido, da paz doméstica e de uma vida simples e tranquila.
Pela análise das afirmativas, conclui-se que estão corretas apenas:
a) I e III. d) I, II e IV.
b) II e III. e) II, III e IV.
c) III e IV.
3. PUC-PR
Assinale a alternativa que contém a afirmação correta sobre o Naturalismo no Brasil.
a) O Naturalismo usou elementos da natureza selvagem do Brasil do século XIX para defender teses sobre os defeitos da cultura primitiva.
b) A valorização da natureza rude verificada nos poetas árcades se prolonga na visão naturalista do século XIX, que toma a natureza decadente dos cortiços para provar os malefícios da mestiçagem.
c) O Naturalismo no Brasil esteve sempre ligado à beleza das paisagens das cidades e do interior do Brasil.
d) O Naturalismo, por seus princípios científicos, considerava as narrativas literárias exemplos de demonstração de teses e ideias sobre a sociedade e o homem.
e) O Naturalismo do século XIX no Brasil difundiu, na literatura, uma lingua­gem científica e hermética, fazendo com que os textos literários fossem lidos apenas por intelectuais.

4. PUC-PR
Sobre o Realismo, assinale a alternativa incorreta.
a) O Realismo e o Naturalismo têm as mesmas bases, embora sejam movimentos diferentes.
b) O Realismo surgiu como consequência do cientificismo do século XIX.
c) O Realismo surgiu na Europa, como reação ao Naturalismo.
d) Gustave Flaubert foi um dos precursores do Realismo. Escreveu Madame Bovary.
e) Emile Zola escreveu romances de tese e influenciou escritores brasileiros.
Para responder às questões de 5 a 8, leia o trecho a seguir de O cortiço, de Aluísio Azevedo.
Jerônimo bebeu um bom trago de parati, mudou de roupa e deitou-se na cama de Rita.
– Vem pra cá... disse, um pouco rouco.
– Espera! espera! O café está quase pronto!
E ela só foi ter com ele, levando-lhe a chávena fumegante da perfumosa bebida que tinha sido a mensageira dos seus amores (...)
Depois, atirou fora a saia e, só de camisa, lançou-se contra o seu amado, num frenesi de desejo doído.
Jerônimo, ao senti-la inteira nos seus braços; ao sentir na sua pele a carne quente daquela brasileira; ao sentir inundar-se o rosto e as espáduas, num eflúvio de baunilha e cumaru, a onda negra e fria da cabeleira da mulata; ao sentir esmagarem-se no seu largo e peludo colo de cavouqueiro os dois globos túmidos e macios, e nas suas coxas as coxas dela; sua alma derreteu-se, fervendo e borbulhando como um metal ao fogo, e saiu-lhe pela boca, pelos olhos, por todos os poros do corpo, escandescente, em brasa, queimando-lhe as próprias carnes e arrancando-lhe gemidos surdos, soluços irreprimíveis, que lhe sacudiam os membros, fibra por fibra, numa agonia extrema, sobrenatural, uma agonia de anjos violentados por diabos, entre a vermelhidão cruenta das labaredas do inferno.

5. Unifesp
O cortiço, obra naturalista:
a) traduziu a sensualidade humana na ótica do objetivismo científico, o que se alinha à grande preocupação espiritual.
b) fez análises muito subjetivas da realidade, pouco alinhadas ao cientificismo predominante na época.
c) explorou as mazelas humanas de forma a incitar a busca por valores éticos e morais.
d) não pôde ser considerado um romance engajado, pois deixou de lado a análise da realidade.
e) tratou de temas de patologia social, pouco explorados nas escolas literárias que o precederam.

6. Unifesp
A atração inicial entre Rita e Jerônimo não acontece na cena descrita. Segundo o texto, pode-se inferir que ela se relaciona com:
a) uma dose de parati. d) o perfume de Rita.
b) a cama de Rita. e) o olhar de Rita.
c) uma xícara de café.

7. Unifesp
O enlace amoroso, seja na perspectiva de Rita, seja na de Jerônimo:
a) é sublimado, o que lhe confere caráter grotesco na obra.
b) é desejado com intensidade e lhes aguça os ânimos.
c) reproduz certo incômodo pelo tom de ritual que impõe.
d) representa-lhes o pecado e a degradação como pessoa.
e) é de sensualidade suave, pela não explicitação do ato.
8. Unifesp
Pode-se afirmar que o enlace amoroso entre Jerônimo e Rita, próprio à visão naturalista, consiste:
a) na condenação do sexo e consequente reafirmação dos preceitos morais.
b) na apresentação dos instintos contidos, sem exploração da plena sexualidade.
c) na apresentação do amor idealizado e revestido de certo erotismo.
d) na descrição do ser humano sob a ótica do erótico e animalesco.
e) na concepção de sexo como prática humana nobre e sublime.
9. UFR-RJ
O despertar do cortiço
Daí a pouco, em volta das bicas era um zunzum crescente, uma aglomeração tumul­tuosa de machos e fêmeas. Uns, após outros, lavavam a cara, incomodamente, debaixo do fio de água que escorria da altura de uns cinco palmos. O chão inundava-se. As mulheres precisavam já prender as saias entre as coxas para não as molhar; via-se-lhes a tostada nudez dos braços e do pescoço, que elas despiam, suspendendo o cabelo todo para o alto do casco; os homens, esses não se preocupavam em não molhar o pelo, ao contrário metiam a cabeça bem debaixo da água e esfregavam com força as ventas e as barbas, fossando e fungando contra as palmas das mãos. As portas das latrinas não descansavam...
AZEVEDO, Aluísio. O cortiço, São Paulo: Martins, 1968, p. 43.
São características desse texto, consideradas típicas do Naturalismo, entre outras:
a) o idealismo, o comportamento determinista.
b) a ênfase no aspecto material da vida, o comportamento sofisticado.
c) as comparações dos seres humanos com animais, a promiscuidade.
d) a representação objetiva da vida, o endeusamento do ser humano.
e) a fuga à realidade, o positivismo exacerbado.

10. UFSCar-SP
O despertar do cortiço
Daí a pouco, em volta das bicas era um zunzum crescente, uma aglomeração tumultuosa de machos e fêmeas. Uns, após outros, lavavam a cara, incomodamente, debaixo do fio de água que escorria da altura de uns cinco palmos. O chão inundava-se. As mulheres precisavam já prender as saias entre as coxas para não as molhar; via-se-lhes a tostada nudez dos braços e do pescoço, que elas despiam, suspendendo o cabelo todo para o alto do casco; os homens, esses não se preocupavam em não molhar o pelo, ao contrário metiam a cabeça bem debaixo da água e esfregavam com força as ventas e as barbas, fossando e fungando contra as palmas das mãos. As portas das latrinas não descansavam...
AZEVEDO, Aluísio. O cortiço, São Paulo: Martins, 1968, p. 43.
Aluísio Azevedo pertence ao Naturalismo.
a) Cite duas características desse estilo de época.
b) Exemplifique, no texto acima, essas duas características.
11. ESPM-SP
Dos segmentos a seguir, extraídos de O cortiço, de Aluísio Azevedo, marque o que não traduz exemplo de zoomorfismo.
a) Zulmira tinha então doze para treze anos e era o tipo acabado de fluminense; pálida, magrinha, com pequeninas manchas roxas nas mucosas do nariz, das pálpebras e dos lábios, faces levemente pintalgadas de sardas.
b) Leandra... a Machona, portuguesa feroz, berradora, pulsos cabeludos e grossos, anca de animal do campo.
c) Daí a pouco, em volta das bicas era um zunzum crescente; uma aglomeração tumul­tuosa de machos e fêmeas.
d) E naquela terra encharcada e fumegante, naquela umidade quente e lodosa começou a minhocar,... e multiplicar-se como larvas no esterco.
e) Firmo, o atual amante de Rita Baiana, era um mulato pachola, delgado de corpo e ágil como um cabrito...
12. PUC-RS
Daí a pouco, em volta das bicas era um zunzum crescente; uma aglomeração tumultuosa de machos e fêmeas. (...) O chão inundava-se. As mulheres precisavam já prender as saias entre as coxas para não as molhar; via-se-lhes a tostada nudez dos bra­ços e do pescoço, que elas despiam, suspendendo o cabelo todo para o alto do casco; os homens, esses não se preocupavam em não molhar o pelo, ao contrário metiam a cabeça bem debaixo da água e esfregavam com força as ventas e as barbas, fossando e fungando contra as palmas da mão.
(...) O rumor crescia, condensando-se; o zunzum de todos os dias acentuava-se; já se não destacavam vozes dispersas, mas um só ruído compacto (...). Começavam a fazer compras na venda; ensarilhavam-se discussões e resingas; ouviam-se gargalhadas e pragas; já se não falava, gritava-se. Sentia-se naquela fermentação sanguínea, naquela gula viçosa de plantas rasteiras que mergulham os pés vigorosos na lama preta e nutriente da vida, o prazer animal de existir, a triunfante satisfação de respirar sobre a terra.
Expressões tais como “machos e fêmeas”, “cabelo para o alto do casco”, “molhar o pelo” constroem imagens que remetem a uma entre homens e animais, típica do , que se constitui num prolongamento do .
a) dissociação – Realismo – Naturalismo
b) contemporização – Modernismo – Realismo
c) dissociação – Romantismo – Naturalismo
d) associação – Naturalismo – Realismo
e) contemporização – Realismo – Romantismo
13. PUC-RS
A obra a que pertence o texto em questão:
a) recupera a tradição oral dos contos populares.
b) retrata a realidade socioeconômica brasileira no limiar dos séculos XIX e XX.
c) vincula-se ao chamado Romance de 30.
d) organiza-se em torno da representação do anti-herói.
e) apresenta uma relativização da verossimilhança.
Gabarito
1. C
2. D
3. D
4. C
5. E
6. C
7. B
8. D
9. C
10. a) O zoomorfismo e o descritivismo objetivo, que fixa elementos sensoriais.
b) O zoomorfismo aparece em “aglomeração de machos e fêmeas”, “não molhar o pelo”, “fossando”. A análise objetiva, voltada para elementos sensoriais, aparece em “fio de água que escorria da altura de uns cinco palmos”, “chão inundava-se”, “metiam bem debaixo da água e esfregavam com força”, dentre outras.
11. A
12. D
13. B

Comentários

  1. Muito obrigado pelos exercícios. Eles foram realmente úteis para os meus estudos sobre a obra. Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Felicidades Leonardo Francez, grato por suas palavras.

    ResponderExcluir
  3. Muito obrigado também Silvon, os exercícios me ajudaram muito para uma prova que irei ter no colégio ^^

    ResponderExcluir
  4. O objetivo desses exercícios é justamente esse facilitar no desempenho escolar. Valeu!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Valeu! Sua presença é Bem Vinda!

Postagens mais visitadas deste blog

ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. Filosofia da Educação. São Paulo: Moderna, 1996. pp. 14-76. (Fichamento e Resenha)

VEIGA, Ilma Passos Alencastro. Projeto político-pedagógico da escola: uma construção possível. IN: Coleção Magistério: Formação e Trabalho Pedagógico. Campinas, SP: Papirus, 1995. (Fichamento e Resenha)