quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Lágrimas de verão

Agora cai uma chuva torrencial em Jataí.
Depois de tantos dias de sequidão,
Em fim as águas levarão a poeira daqui.

Será que você não quer aproveitar,
E com um cantinho do seu olhar,
Vir me livrar do meu sempre secar?

Meus sapatos estão encharcados,
Minha roupa se molhou.
Não me importo!
Como é bom sentir o frescor
De uma chuva de verão,
Que cai na primavera,
E alivia os dias de calor.

As lágrimas em meus olhos são chuvas de verão
Que se lembra de nós, pra acalmar meu coração.
Quem dera você pudesse entrar em cena,
E segurar minhas lágrimas de doce sal,
Para tudo se transforme em poema.

A cidade supre sua carência de chuva,
As águas caem com mais força agora.
Venha consertar meu coração,
Acalmar meus medos,
Diga pro meu coração
Que as lágrimas são chuvas de verão.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Valeu! Sua presença é Bem Vinda!

VIGIAR E PUNIR. MICHEL FOUCAULT. RESENHA

Michel Foucault Vigiar e punir – Nascimento da prisão FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir : nascimento da prisão; tradução Raquel Ramalh...